Vitamina D e síndrome metabólica

Vitamina D e síndrome metabólica

Porque não é simplesmente se expor ao sol; entenda o motivo da sua vitamina D estar baixa

Artigo
VITAMINA D E SÍNDROME METABÓLICA

Por Leo Simões *

A vitamina D, ou hormônio D como dito por muitos, é essencial para a realização de mais de 85 funções do organismo. Além disso, é responsável pela ativação de mais de 2.000 genes; ou seja, se botarmos na ponta do lápis, 10% dos nossos genes estão metabolicamente ligados à ela, sendo alguns destes genes relacionados à regulação de antioxidante do corpo, controle da respiração mitocondrial e redução da produção de citocinas pró-inflamatórias (inflamação do corpo).

A vitamina D é tão importante que existem receptores para ela em todas as células do corpo humano. No hipocampo e no sistema nervoso central do organismo, por exemplo, ela ativa algumas enzimas cerebrais e o fluído cerebrospinal, que estão ligados diretamente à síntese de neurotransmissores; também é importante para a proteção dos neurônios, desempenho cognitivo mental e redução das inflamações.

A vitamina D participa da regulação da serotonina e dopamina; consequentemente, tem impacto direto e indireto no humor, sono, apetite e saciedade – fatores importantes para a regulação do peso, depressão, ansiedade e diversas outras doenças neurológicas. Também está relacionada com diversas doenças da síndrome metabólica como diabetes, osteoporose, osteopenia e hipertensão.

Como podem ver, ela é crucial para diversas funções do corpo e a sua deficiência pode resultar em alguns problemas para a saúde. Mas, então, por que é tão comum as pessoas possuírem a deficiência desta vitamina mesmo se expondo ao sol?

São dois motivos:

– O primeiro é devido à utilização de protetores solares, já que os mesmos inibem a captação dos raios UVB e, consequentemente, a síntese de vitamina D.

– O segundo motivo é que precisamos de dois nutrientes na dieta para possuir bons níveis de vitamina D. Um desses nutrientes (demonizado por muitos) é o colesterol, pois a enzima 7-dehidrocolesterol redutase é a enzima que faz a captação do raios UVB para transportar até no fígado, onde recebe a primeira hidroxilação, e como nosso corpo produz algo em torno de 70%-80% do colesterol diário, o restante tem que ser proveniente da dieta – logo, devemos diariamente consumir peixes oleosos, carnes com gorduras, ovos inteiros e afins.

O segundo nutriente que precisamos para manter bons níveis de vitamina D é o magnésio; no fígado, onde ocorre a primeira hidroxilação, existe a necessidade de magnésio, outro mineral que a larga maioria das pessoas tem deficiência, seja por alguns componentes da dieta, ou pela dieta em si, já que o solo brasileiro é pobre neste mineral.

Enfim, forma-se a 25(OH)D ou calcidiol 25(OH)D – que representa a reserva de vitamina D no organismo. Uma segunda reação acontecerá no rim, onde necessitará de magnésio também, a 25(OH)D recebe mais uma hidroxila para ser convertida em sua forma ativa: a 1,25(OH)2D ou calcitriol, ou ser na forma inativa 24,25(OH)2D.

Dieta e absorção de magnésio

A absorção de magnésio – seja o presente em alimentos como o magnésio suplementado – pode ser prejudicada por alguns fatores da dieta. O consumo de ácido fosfórico (presente em refrigerantes, por exemplo) dificulta a utilização do magnésio pelo organismo. Já o consumo de açúcar e farináceos causando hiperglicemia resulta em maior excreção de magnésio pela urina, depleção de vitamina B6 (responsável pela absorção de magnésio) e, em alguns casos, quando a pessoa já possui uma resistência à insulina, isso atrapalhará a entrada de magnésio para dentro das células.

Só para ter uma ideia, são necessárias 56 moléculas de magnésio para metabolizar uma única molécula de frutose. E não apenas isso: o ácido fítico, presente principalmente no trigo, inibe a absorção de magnésio. Para fechar com “chave de ouro”, com o aumento do estresse oxidativo (devido ao consumo de açúcar, farinhas, óleos vegetais ultraprocessados e tabagismo) necessitamos do uso de enzimas antioxidantes que dependem de magnésio, o que aumenta a necessidade diária deste mineral.

Em resumo, muitas vezes o que pode estar faltando não é se expor mais ao sol ou suplementar vitamina D ou até mesmo magnésio, e sim retirar o que está prejudicando a absorção e utilização deles.

* Leo Simões é estudante de Nutrição em Blumenau (SC), ex-atleta de Futebol do Flamengo e pesquisador incansável da Saúde Baseada em Evidências.

Referências:

https://bmcmedicine.biomedcentral.com/articles/10.1186/1741-7015-11-187

Am J Public Health. 2006 February; 96(2): 252–261.

Patrick, R.P. and Ames, B.N. (2015), Vitamin D and the omega‐3 fatty acids control serotonin synthesis and action, part 2: relevance for ADHD, bipolar disorder, schizophrenia, and impulsive behavior. The FASEB Journal, 29: 2207-2222.

J Geriatr Psychiatry Neurol. 2009 Sep; 22(3): 188–195.

Pereira‐Santos, M., Costa, P.R.F., Assis, A.M.O., Santos, C.A.S.T. and Santos, D.B. (2015), Obesity and vitamin D. Obes Rev, 16: 341-349.


Leia mais:

Como identificar se tenho síndrome metabólica?

Nitratos e nitritos fazem mesmo mal à saúde?

O que são macronutrientes – e quais deles são essenciais

Photo by Michele Blackwell on Unsplash

Por

Brasil Low Carb


www.brasillowcarb.com.br

...
Conheça

Receba nossas
novidades
e conteúdos

Preencha seus dados