Por que não contamos a verdade aos diabéticos?

01.12.20

Por que não contamos a verdade aos diabéticos?

Adaptação de artigo de Diana Rodgers* publicado no blog Robb Wolf

Artigo
Por que não contamos a verdade aos diabéticos?

Fico impressionada com a desinformação que nós, especialistas em nutrição, (ainda) contamos às pessoas com diabetes. O mantra “tudo com moderação”, e frases prontas e repetidas há décadas como “precisamos comer menos carne, menos gordura e mais grãos integrais”, ainda seguem difundidas por nutricionistas e disseminados para o público através de diretrizes dietéticas. E isto vem deixando as pessoas doentes.

Recentemente, o seguinte anúncio apareceu no meu feed de notícias do Facebook: “10 alimentos que são ótimos para diabéticos”. Aqui está a relação destes alimentos que seriam “ótimos” e indicados a diabéticos: tâmaras, frutas vermelhas, alho, sementes de linho, maçãs, brócolis, aveia, melão, couve e cevada. Bem, não acho que a couve seja ruim, mas essa lista é quase a mesma coisa que dizer aos alcoólatras para beberem mais um pouco de suco de laranja ou polvilhar algumas sementes de chia em seus martinis e omitir o fato de que precisam parar de beber.

Em nossa busca para evitar a verdade e focar em “superalimentos” individuais que irão nos salvar, este post está dizendo aos diabéticos que as tâmaras são incríveis porque 7 delas fornecem 4g de fibra. Eles se esqueceram de mencionar que 7 tâmaras equivalem a 126g de carboidratos sem gordura, o que é muito parecido com uma seringa de açúcar injetada diretamente em seu sangue se ingerido com o estômago vazio.

Nenhuma dessas dez primeiras listas tinha proteína, e a única gordura era proveniente de sementes de linhaça; e quanto aos peixes gordurosos ou óleo de peixe, que são muito mais biodisponíveis? Por que não estamos dizendo a eles para evitar o excesso de carboidratos? Afinal, você pode realmente reduzir o açúcar no sangue apenas… não comendo açúcar!

Eu venho olhando o quanto de proteína precisamos ingerir e quais as suas melhores fontes, porém para esse conteúdo decidi olhar exclusivamente para as recomendações de ingestão de carboidratos – para ver de onde eles vêm e se corresponde ao que estamos dizendo às pessoas para comer.

Quais são os perigos de comer carboidratos em excesso?

Resposta: DIABETES (mas eles não vão realmente dizer isso)

No DRI (ingestão alimentar de referência) guia para ingestão de carboidratos, a coluna para “Efeitos adversos do consumo excessivo” afirma “nenhum nível de ingestão definido no qual os efeitos adversos potenciais do carboidrato digestível total foram identificados.” QUE? Acontece também que a ingestão máxima de açúcares adicionados deve ser limitada a não fornecer mais do que 25% da energia. Isso é 125 gramas de carboidratos de açúcar em uma dieta de 2.000. Para se ter uma ideia, uma lata de coca contém 39 g de açúcar. Isso significa que eles estão dizendo que para alguém que ingere 2.000 calorias, não há problema em beber mais de 3 Cocas por dia (mais outros carboidratos), desde que você coma menos carne, menos gordura e, claro, mais grãos integrais. É realmente isso que devemos dizer às pessoas?

De acordo com Institutos de Medicina, “os relatórios publicados discordam sobre se existe uma ligação direta entre a tendência de aumento da ingestão de açúcar e aumento das taxas de obesidade… parece que os efeitos do aumento da ingestão de açúcares totais na ingestão de energia são mistos, e o aumento da ingestão de açúcares adicionados são mais frequentemente associados ao aumento da ingestão de energia. Não há associação clara e consistente entre o aumento da ingestão de açúcares adicionados e o IMC. Portanto, os dados acima não podem ser usados ​​para definir um UL (limite superior) para açúcares adicionados ou totais”. O quê?!

Não estou brincando, é exatamente isso que diz. Os autores também afirmam que não há risco de diabetes devido ao consumo de grandes quantidades de açúcares e citam este estudo, dizendo que mostrava que quanto mais açúcar se ingeria, menor o risco de diabetes. Eu pesquisei o artigo e os autores disseram que quanto mais sacarose alguém ingeria, menor o risco de diabetes, mas também disseram que a ingestão de glicose e frutose estava positivamente associada ao risco de diabetes.

Da última vez, verifiquei glicose + frutose = sacarose. Como isso faz sentido? Os pesquisadores também encontraram discrepâncias significativas entre o diabetes auto-relatado e as taxas reais de diagnóstico da doença (apenas 64% dos que disseram ter diabetes foram realmente diagnosticados) e, claro, todos nós sabemos que as pessoas adoram mentir em questionários de frequência alimentar. Esta é realmente a pesquisa em que estamos nos baseando para formular as diretrizes de nutrição pública?

É claro que há toneladas de evidências de que o aumento de carboidratos aumenta o diabetes tipo 2 e que a redução da ingestão de açúcar e carboidratos reduz o açúcar no sangue.

Então, quantos carboidratos estamos dizendo aos diabéticos para comer?

Resposta: DEMAIS

Se o diabetes tipo 2 é resultado de açúcar no sangue não controlado, você pensaria que deveríamos dizer às pessoas para reduzir a ingestão de açúcar. Na verdade, o documento Diretrizes e recomendações de prática clínica do American College of Physicians lista como o tratamento oficial, mas não o aconselhamento dietético. Com a depressão, por exemplo, outros métodos não farmacológicos como terapia e exercícios são listados. Quando um diabético tipo 2 se encontra com um nutricionista, estamos dizendo a ele para comer mais do que a Ingestão Dietética Recomendada.

Embora não tenhamos nenhuma necessidade real de carboidratos e a Ingestão Dietética Recomendada seja de 130g / dia, a orientação geral para adultos com diabetes é de 45 a 60 gramas de carboidratos por refeição e lanches com 15 a 30 gramas de carboidratos. Para o adulto médio que come 3 refeições e 2 lanches por dia (recomendado), isso equivale a uma ingestão diária recomendada de entre 165g e 240g de carboidratos por dia.

Antes de começar a comer uma dieta baixa em carboidratos eu estava com síndrome metabólica. Nunca tive excesso de peso, comi uma dieta predominantemente vegetariana, com pouca gordura, cheia de grãos inteiros como lentilhas, tofu e óleo de canola. Eu estava fazendo tudo “certo”. Naquela época, se eu demorasse mais de 2 horas entre as refeições, começaria a suar e ficaria incrivelmente irritada. A palavra é faminta. Eu vivi assim por mais de 30 anos. Quando faço uma palestra sobre nutrição, sempre começo descrevendo como eu costumava me sentir e, todas as vezes, mais da metade da sala balança a cabeça, significando que eles também se sentem assim. Mesmo assim, continuamos a dizer às pessoas que comam assim.

Somos nutricionistas completamente falhos.

Nós, especialistas em nutrição, estamos falhando miseravelmente na prevenção e no tratamento de pessoas com diabetes. De acordo com o CDC, 12,6% dos americanos têm diabetes, o que nos custa US$ 245 bilhões em despesas médicas diretas e indiretas. Eu vi o incrível dano que o diabetes pode fazer às pessoas e é muito feio. É listado como a sétima causa de morte, mas como as pessoas não morrem realmente de “diabetes”, mas sim de complicações devido ao diabetes, como insuficiência renal e doenças cardiovasculares, o número é provavelmente muito maior.

A taxa só está aumentando, especialmente em países que estão adotando recentemente nossa dieta americana padrão “saudável para o coração”. Em todo o mundo, as pessoas estão abandonando suas dietas tradicionais saudáveis ​​e bebendo refrigerante em vez de água, usando óleo de canola em vez de gorduras tradicionais…

Por que não podemos dizer às pessoas que têm diabetes a verdade: que comer “tudo com moderação”, dieta rica em carboidratos, baixo teor de gordura e proteína aumentará suas chances de uma doença completamente evitável (no caso do tipo 2) que pode levar a uma morte muito desconfortável?

Eu gostaria de poder ainda citar a postagem no Facebook de outubro de 2016 de uma sobremesa com leite condensado açucarado que a American Diabetes Association postou em sua página do Facebook antes de removê-lo. Foi um clássico. A The American Diabetes Association lista feijão como a escolha ideal de proteína. Deveríamos realmente dizer a eles que feijão, tâmaras, aveia e cevada são superalimentos?

Como nutricionista experiente, quando vejo um paciente com problemas de açúcar no sangue, recomendo uma dieta baixa em carboidratos, acrescentando mais proteína e gorduras saudáveis ​​como o primeiro passo.

Nesta revisão de literatura, os pesquisadores analisaram 12 estudos, todos mostrando o sucesso de uma dieta pobre em carboidratos na redução ou eliminação da necessidade de medicamentos em diabéticos tipo 2.

A incapacidade das recomendações atuais para controlar a epidemia de diabetes, a falha específica das dietas de baixo teor de gordura prevalecentes em melhorar a obesidade, o risco cardiovascular ou a saúde geral e os relatos persistentes de alguns efeitos colaterais graves de medicamentos para diabetes comumente prescritos, em combinação com o sucesso contínuo das dietas com baixo teor de carboidratos no tratamento do diabetes e da síndrome metabólica sem efeitos colaterais significativos, apontam para a necessidade de uma reavaliação das diretrizes dietéticas. Os benefícios da restrição de carboidratos no diabetes são imediatos e bem documentados.

Por que não contamos a verdade aos diabéticos?

Resposta: A verdade é que açúcar e junk food vendem.

Açúcar é sexy. Brownies vendem revistas e recebem cliques no Facebook. Ovos mexidos, frango assado simples ou acelga refogada não. Há uma tonelada de preconceito contra dietas pobres em carboidratos, e muitos interesses financeiros empurrando a intervenção farmacêutica em vez de uma mudança na dieta, e as pessoas que estão por trás das diretrizes alimentares também são as encarregadas de promover a agricultura de commodities (trigo, milho e soja).

É hora de admitir que estamos falhando com diabéticos.

Podemos fazer melhor. Eles merecem a verdade.

Fonte:

Artigo de Diana Rodgers publicado em 2017 no blog Robb Wolf e também em seu site Sacred Cow

Diana é nutricionista baseada em “comida de verdade”, defensora da sustentabilidade, co-autora do best-seller Sacred Cow e diretora do filme Sacred Cow.

Leia na íntegra:
https://robbwolf.com/2017/01/05/why-wont-we-tell-diabetics-the-truth/

imagem: Pexels.com

Por

Brasil Low Carb


www.brasillowcarb.com.br

Marcar consulta Conheça

Receba nossas
novidades
e conteúdos

Preencha seus dados


    Ao assinar você automaticamente concorda com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies.