O impacto da hiperinsulinemia na saúde masculina

O impacto da hiperinsulinemia na saúde masculina

Calvície, disfunção erétil e aumento da próstata estão entre os efeitos adversos

Notícia
O impacto da hiperinsulinemia na saúde masculina

*versão traduzida e adaptada de artigo publicado em Tuit Nutrition

A insulina obteve má reputação nas comunidades de baixo teor de carboidratos e cetogênica. Mas a insulina não é necessariamente algo ruim. Porém, muita insulina, com muita frequência, é prejudicial. Se você perguntar às pessoas cujas casas estão ameaçadas por incêndios florestais se chover muito seria uma coisa boa, você provavelmente obterá uma resposta muito diferente do que se perguntasse às pessoas cujas casas acabaram de ser destruídas por enchentes. Água não é um problema; muita ou pouca água é um problema, e o mesmo ocorre com a insulina.

Por si só, a insulina não é um problema. (Pergunte a um diabético tipo 1.) Os efeitos adversos acontecem apenas quando a insulina está muito alta, com muita frequência.

Sabemos que a síndrome do ovário policístico (SOP) – uma endocrinopatia comum em mulheres em idade reprodutiva, afetando 6 a 10% da população – é causada principalmente pela hiperinsulinemia crônica. “A hiperinsulinemia associada à resistência à insulina foi causalmente associada a todas as características da SOP, como hiperandrogenismo, distúrbios reprodutivos, acne, hirsutismo e distúrbios metabólicos.” (De Leo et al., 2004)

Na verdade, a ligação causal (não apenas uma associação!) entre hiperinsulinemia e a síndrome do ovário policístico é tão conhecida que a metformina – mais conhecida como medicamento para diabetes – está entre as intervenções farmacêuticas de primeira linha para a SOP.

Lembre-se: a hiperinsulinemia crônica leva à obesidade em algumas pessoas, mas não em todas. Existem milhões de pessoas com um peso corporal “normal”, mas níveis de insulina altíssimos.

Poderia haver um equivalente masculino da SOP?

Existem três áreas diferentes onde a hiperinsulinemia crônica tem efeitos adversos nos homens:

– Alopecia androgenética de início precoce (calvície masculina)

– Disfunção erétil

– Hipertrofia benigna da próstata (aumento da próstata)

Alopecia androgenética de início precoce

(Calvície masculina)

Por que tantos homens perdem o cabelo? Pode haver um fator genético, mas quando acontece com os homens jovens, talvez haja mais nessa história.

Em homens jovens, a alopecia androgenética de início precoce (AGA) pode ser uma indicação de resistência à insulina não revelada por outros sinais e sintomas. Uma meta-análise de perfis hormonais em homens jovens com AGA de início precoce mostrou que, em comparação com homens sem alopecia, homens jovens com a doença tinham insulina de jejum, HOMA-IR e triglicerídeos mais elevados, com IMC ligeiramente mais alto e HDL-C mais baixo – tudo indicando que os homens com AGA foram afetados mais fortemente pela insulina. Os autores do estudo escreveram: “A AGA de início precoce pode representar um sinal fenotípico do equivalente masculino da SOP”.

Em um estudo de caso-controle com 57 homens com idades entre 19-30 apresentando AGA e 32 controles (sem queda de cabelo), os níveis médios de insulina em jejum foram apenas ligeiramente mais elevados nos casos do que nos controles. No entanto, em comparação com os controles, os casos de AGA tinham níveis médios significativamente mais elevados de testosterona, sulfato de DHEA e LH, com níveis médios reduzidos de FSH e SHBG – algumas das mesmas observações feitas em mulheres com SOP. A conclusão não poderia ter dito melhor: “Eles podem estar em risco de desenvolver as mesmas complicações associadas à SOP, incluindo obesidade, síndrome metabólica, RI, doenças cardiovasculares e infertilidade.”

Trecho de um artigo sobre hiperinsulinemia escrito pela conhecida autoridade em dieta paleo Loren Cordain, PhD, junto com os Drs. Michael e Mary Dan Eades, do famoso Protein Power:

“A calvície masculina claramente tem um componente genético. No entanto, está bem estabelecido que a calvície de padrão masculino também é uma característica androgênica dependente que ocorre a partir de androgênese elevada após a puberdade. Consequentemente, qualquer fator ou fatores ambientais que elevariam os níveis séricos de andrógenos promoveriam aumento da calvície, particularmente em indivíduos geneticamente suscetíveis. Os carboidratos de alta carga glicêmica, induzindo hiperinsulinemia, junto com uma elevação concomitante de andrógenos séricos e redução de SHBG, representam um provável agente ambiental que pode estar na base da promoção da calvície de vértice masculino.”

Os homens não deveriam ter que esperar até perderem os cabelos para serem informados de que estão sob risco de complicações muito graves da síndrome metabólica.

Disfunção erétil

Acabamos de dizer que homens jovens com calvície de padrão masculino de início precoce têm risco aumentado de doença arterial coronariana e hipertensão, e devem ser examinados para doenças cardiovasculares (DCV). Com isso em mente, você sabia que a disfunção erétil (DE) é um problema cardiovascular? E você sabia que a doença cardiovascular é um problema de insulina?

Lembre-se do que o Dr. Joseph Kraft escreveu, em sua obra épica, Diabetes Epidemic and You: “indivíduos com glicose no sangue em jejum normal podem de fato estar bastante confortáveis ​​por não serem diabéticos – isto é, até terem seu primeiro ataque cardíaco. […] Aqueles com doença cardiovascular não identificados com diabetes simplesmente não foram diagnosticados.”

Se você tem insulina cronicamente alta, não se engane: você está cozinhando seus vasos sanguíneos. Há uma razão pela qual as DCV são a causa número um de morte em pessoas com diabetes tipo 2. Os vasos sanguíneos sofrem uma forte surra de glicose e insulina cronicamente altas. Qualquer um pode danificar os vasos sanguíneos por si só; contra os dois, juntos, seus vasos sanguíneos não têm chance. (A doença cardiovascular não tem quase nada a ver com colesterol e tudo a ver com insulina e glicose.)

O controle insatisfatório da glicose no sangue em longo prazo e a insulina cronicamente elevada podem resultar em glicação galopante não apenas do próprio sangue (conforme medido pela hemoglobina A1c), mas também dos vasos sanguíneos. Neste cenário, em vez de sangue bom, aquoso e fluido fluindo através de vasos lisos e acomodatícios que são capazes de se dilatar e contrair conforme necessário (como uma mangueira de jardim de borracha), é mais como bombear melaço espesso e pegajoso por um tubo de vidro frágil e quebradiço. O resultado lógico disso é o dano aos vasos sanguíneos microscópicos nos olhos e nos rins, que são consequências bem conhecidas da hiperglicemia crônica entre os diabéticos tipo 2.

Mas esse tipo de circulação prejudicada também pode afetar o fluxo sanguíneo para a genitália masculina. Na verdade, os médicos informados sobre essas questões confirmarão que a DE pode ser o primeiro sinal de resistência à insulina e disfunção endotelial, particularmente entre homens mais jovens, cuja saúde cardiovascular normalmente não seria suspeita de estar comprometida.

Disfunção erétil e doença cardiovascular são manifestações diferentes da mesma patologia subjacente. A DE pode ser considerada um marcador precoce para DCV. Além disso, a resistência à insulina está associada à redução da síntese e liberação de óxido nítrico, o que pode prejudicar ainda mais o fluxo sanguíneo para o pênis. O óxido nítrico é um “vasodilatador” – ajuda a dilatar os vasos sanguíneos para que possam acomodar o aumento do fluxo sanguíneo. Nos vasos que fornecem sangue ao pênis: sem dilatação, sem ereção.

Uma revisão sistemática analisando a associação entre disfunção erétil e doença cardiovascular concluiu, “DE e DCV devem ser considerados como duas manifestações diferentes do mesmo distúrbio sistêmico.”

Para um jovem sem outros sinais e sintomas de distúrbio metabólico, a disfunção erétil pode ser um sinal de alerta de que algo está errado muito antes de doenças cardiovasculares graves ou diabetes tipo 2 tomarem conta.

Se o homem / homens em sua vida apresentar disfunção erétil sem causa óbvia (como depressão, estresse crônico ou trauma físico), ou se você for um homem com disfunção erétil inexplicada, um teste de insulina pode ser necessário. Quer salvar seu tesão? Faça uma mudança brusca em sua dieta.

Metformina para ED

É interessante que um medicamento para diabetes demonstrou melhorar a função erétil entre homens resistentes à insulina com disfunção erétil que não são diabéticos diagnosticados. Por que um medicamento para diabetes teria qualquer influência na função erétil, se não houvesse conexão com a insulina ou a glicose no sangue? Em um estudo duplo-cego randomizado, em comparação com o placebo, a metformina levou a melhorias significativas no HOMA-IR e na função erétil. Essas duas coisas não são independentes. Melhor controle da insulina = melhor desempenho sexual.

Hipertrofia / Hiperplasia Benigna da Próstata (BPH)

BPH é mais uma condição induzida pela insulina, mas a maioria dos homens e até mesmo seus médicos não sabem disso. Os homens ouvem: “Você está apenas envelhecendo. Isto é normal.” Pode ser comum, mas não significa que seja normal.

Lembre-se: a insulina estimula o crescimento do tecido. E os pesquisadores estão acordando para o fato de que um dos tecidos que a insulina estimula o crescimento é a próstata. Infelizmente, essa descoberta – que está em toda a literatura médica – ainda não chegou aos consultórios de muitos médicos de atenção primária. Esta é uma má notícia, porque os médicos de atenção primária (clínicos gerais, médicos de família…) são os mais propensos a encontrar homens reclamando dos sinais e sintomas associados (por exemplo, necessidade frequente ou urgente de urinar – especialmente à noite, ou acordar para urinar; esforço ao urinar ou incapacidade de esvaziar completamente a bexiga).

Entre os homens com BPH, os níveis de insulina em jejum foram positivamente correlacionados com o aumento anual na taxa de crescimento da próstata: quanto maior a insulina, mais rápido o crescimento. O crescimento da próstata foi mais rápido em homens com diabetes tipo 2, hipertensão e obesidade, e a taxa de crescimento foi negativamente correlacionada com o HDL – todos os sinais de hiperinsulinemia. Em outro estudo que comparou 90 pacientes com BPH e 90 controles, os níveis de insulina, IGF-1 e estradiol foram maiores nos casos em comparação com os controles.

A proteína de ligação do IGF 3 (IGFBP-3), que se liga ao IGF-1 e reduz sua atividade, foi diminuída nos casos em comparação com os controles. Os autores do estudo chegaram a dizer que a insulina (e a razão IGFBP-3 / PSA) “prediz o tamanho da próstata em pacientes com BPH”. Novamente, quanto mais alta a insulina, maior a próstata.

Conclusão

É hora de perceber que o diabetes tipo 2 e a obesidade são apenas a ponta de um iceberg muito maior de problemas de saúde modernos enraizados na insulina cronicamente alta.

Se você é um homem lidando com qualquer um desses problemas, ou um homem que você ama está lidando com eles, faça (ou aconselhe-o a fazer) o que os homens gostam de fazer: comer um bife! (sem batata)

Fonte: Tuit Nutrition”

Leia na íntegra: http://www.tuitnutrition.com/2018/02/insulin-and-mens-health.html


Leia mais:

Alimentação low carb e cetogênica e saúde mental

Como laticínios e gordura podem salvar sua vida

Proteína na prevenção da sarcopenia

imagem: freepik.com

Por

Brasil Low Carb


www.brasillowcarb.com.br

...
Conheça

Receba nossas
novidades
e conteúdos

Preencha seus dados