Nutrição: carne animal X “carne” vegetal

15.07.21

Nutrição: carne animal X “carne” vegetal

Artigo

Novo estudo aponta grande diferença nutricional entre a opção de origem animal e a criada em laboratório

Um novo estudo apresentou uma comparação detalhada dos perfis metabólicos da carne bovina e da “carne” à base de plantas.

Coordenado pelo Dr. Stephan Van Vliet (Duke Molecular Physiology), dos EUA, o estudo foi além das aparências, além do que consta nas tabelas nutricionistas destes produtos (que sugerem uma equivalência de nutrientes) e além da intensiva cobertura que a mídia vem dando à agenda do veganismo – que incentiva a proliferação de opções de “carnes” de laboratório.

“Nossa análise descobriu que as abundâncias de metabólitos entre a alternativa à base de carne vegetal e a carne moída alimentada com pasto divergiram em 90%. Pelo menos 22 metabólitos foram encontrados exclusivamente na carne, e 51 estão presentes em maior quantidade na carne”, aponta o estudo.

Nutrientes como niacinamida (vitamina B3), creatinina (produto da creatina), glucosamina, hidroxiprolina, o ácido graxo ômega-3 DHA e os antioxidantes alantoína, anserina, cisteamina, espermina e esqualeno estavam entre os encontrados APENAS na carne bovina. “Esses nutrientes têm papéis fisiológicos, anti-inflamatórios e/ou imunomoduladores importantes, e a baixa ingestão está associada a disfunções cardiovasculares, neurocognitivas, retinais, hepáticas, musculares esqueléticas e do tecido conjuntivo”.

Só como exemplo, a cisteamina (um dos nutrientes exclusivos da carne animal) é um poderoso antioxidante, também tem efeitos neuroprotetores e é um precursor da glutationa (potente antioxidante intracelular).

Já o esqualeno tem potencial atividade antioxidante, antibacteriana e antitumoral, enquanto a hidroxiprolina e a glucosamina estimulam a biossíntese do colágeno e são consideradas importantes para manter a estrutura e força do tecido conjuntivo e dos vasos sanguíneos.

“Esses produtos não devem ser vistos como nutricionalmente substitutos, mas podem ser vistos como complementares”. Ou seja, não consuma a carne fabricada em laboratório acreditando que está suprindo os mesmos nutrientes fornecidos pela opção de origem animal.

Finalizam ressaltando que “é necessário cautela ao categorizar os alimentos como equivalentes para os consumidores simplesmente com base em seu conteúdo proteico”.

Fonte: https://www.nature.com/articles/s41598-021-93100-3

Por

Brasil Low Carb


www.brasillowcarb.com.br

Marcar consulta Conheça

Receba nossas
novidades
e conteúdos

Preencha seus dados


    Ao assinar você automaticamente concorda com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies.